Conecte-se com a gente

Entretenimento

Cia. Barbixas de Humor apresenta espetáculo “Improvável” em Jundiaí

Redação

Publicado

em

 Teatro GT traz para o interior do Estado de São Paulo o espetáculo criado e apresentado pelo trio de humoristas Anderson Bizzocchi, Daniel Nascimento e Elidio Sanna. Dia 16 de junho, domingo, às 20h, no Polytheama.

 

A Cia. Barbixas de Humor comemorou, em 2017, 10 anos de sucesso do Improvável, um espetáculo criado e apresentado pelo trio de humoristas Anderson Bizzocchi, Daniel Nascimento e Elidio Sanna (os Barbixas) que usa a improvisação como linguagem para a criação de jogos e de cenas artísticas de humor.

 

SOBRE O ESPETÁCULO

O espetáculo Improvável foi criado em 2007 inspirado no programa de televisão britânico Whose Line is It Anyway? e nos espetáculos brasileiros de improvisação teatral Zenas Emprovisadas (ZE) e Jogando no Quintal.

Neste espetáculo teatral, um mestre de cerimônias apresenta as regras dos jogos, a plateia sugere os temas e os atores improvisam as cenas na hora e sem nenhuma preparação prévia. Assim, nunca uma apresentação é igual à outra – fazendo com que o público retorne sempre.

Diversos nomes do humor nacional e internacional já participaram do Improvável, entre eles: Fábio Porchat, Marco Luque, Rafinha Bastos, Oscar Filho, Marianna Armellini, Maurício Meireles, Gustavo Miranda (Colômbia), Jose Luiz Saldanha (México), Mario Bomba (Portugal) e César Mourão (Portugal).

O improviso exige muito treino de agilidade, raciocínio, interação entre os atores e a prática do trabalho em conjunto. Para isso, os Barbixas têm um profundo processo de pesquisa e de ensaios no qual são criados os jogos ou estudadas as mecânicas daqueles que já são praticados por grupos de improviso do mundo todo.

 

NÚMEROS IMPROVÁVEIS

Transformar o espetáculo em números o torna ainda mais surpreendente: nos últimos dez anos, o Improvável foi visto por mais de um milhão de pessoas em apresentações em inúmeras cidades do país e na capital paulista (Teatro Tuca), tendo batido o recorde de permanência de uma peça teatral em cartaz naquele espaço.

Os Barbixas têm um canal no Youtube que soma cerca de 700 milhões de visualizações. O canal registra 2,7 milhões de inscritos e uma média de oito milhões de acessos por mês. Os vídeos são publicados todas as terças e quintas-feiras. Em 2010, o canal dos Barbixas entrou para a lista das 100 webséries mais vistas do mundo. No Twitter são quase 1,9 milhão de seguidores e no Facebook mais de 1 milhão de curtidas.

 

CIA. BARBIXAS DE HUMOR

A Cia. Barbixas de Humor foi concebida de forma tão improvável quanto o espetáculo do grupo. É uma longa e sincronizada história. Anderson, Daniel e Elidio estudavam juntos, na adolescência, no Colégio Jardim São Paulo, na Zona Norte da capital paulista. Perceberam que gostavam do mesmo tipo de humor: da série cômica inglesa Monty Python; do ator e comediante britânico Rowan Atkinson, famoso pelo seu personagem Mr. Bean; do grupo português Gato Fedorento; dos espanhóis do El Tricicle e da dupla de australianos do Umbilical Brothers, entre outros.

Pisaram juntos no palco pela primeira vez em 2001 com um cover do esquete History of the Joke, apresentado no intervalo do festival de música do colégio. Três anos depois, fundaram oficialmente a Cia. Barbixas de Humor. O nome do grupo nasceu igualmente de um improviso e foi, propositalmente, registrado com a grafia alterada: Barbixas. A “barbixa” virou marca registrada. “Apenas a tiramos ou deixamos a barba toda crescer quando estamos em férias. As pessoas sempre nos perguntam: Ué, não tá de barbicha? Ou seria de Barbixas?”, contam.

 

SOBRE A TRAJETÓRIA

O primeiro improviso da carreira do trio de humoristas aconteceu em 2002 quando Anderson e Daniel frequentavam o mesmo cursinho pré-vestibular. Uma das professoras decidiu que alunos retardatários “puxassem” uma daquelas olas tradicionais em estádios de futebol.

Anderson e Daniel intencionalmente chegaram atrasados na semana seguinte só para receberem o castigo. Para tanto, escreveram um esquete que brincava com os professores. Foi um sucesso. Os alunos riram e aplaudiram. A professora gostou tanto que os escalou para apresentações semanais. “Foi nosso primeiro contrato verbal”, ironiza Anderson. A notícia se espalhou e outras salas passaram a assistir as apresentações.

Em 2004, apresentaram Onde está o Riso?, no Teatro Jardim São Paulo. No ano seguinte, criaram o espetáculo chamado “3”, com cenas próprias, e participaram do festival “Nunca se sábado” que acontecia no Teatro Folha/SP.

Em 2006, escreveram o espetáculo de esquetes Em Breves, conhecido pelas cenas Santa Ceia (cerca de 9 milhões de visualizações) e Imitose (com 102 mil curtidas).

Os Barbixas venceram o Campeonato Mundial de Catch (2010), uma forma de improvisação teatral desportiva, dentro do Festival Internacional de Teatro de Bogotá, um dos mais importantes do mundo. Em 2011, a Cia. foi convidada para participar do 16º Festival de Teatro de Improvisação de Amsterdã – um dos mais antigos e tradicionais da Europa. Nesse mesmo ano, realizaram a primeira turnê internacional do grupo com apresentações na cidade de Lisboa, em Portugal.

Em 2016, a Cia. Barbixas ganhou o Prêmio Risadaria na categoria Melhor Espetáculo de Improvisação. Além dos palcos e da internet, os Barbixas foram os precursores brasileiros em espetáculos de improvisação na TV com os programas Quinta Categoria (MTV) e É Tudo Improviso (Band). Participaram ainda do programa Tomara Que Caia (TV Globo).

Em 2017, participaram do Rock in Rio, foram três dias de apresentação no Digital Stage. Fecharam o ano de 2017 com a turnê em Portugal, nas cidades do Porto e Lisboa. E iniciaram 2018 lotando 6 sessões do Festival de Ferias no Shopping Frei Caneca.

Gênero: Humor
Duração: 70 minutos
Classificação etária: 14 anos
Elenco: Anderson Bizzocchi, Daniel Nascimento, Elidio Sanna
Direção: Cia. Barbixas de Humor
Direção de produção: Flora Assumpção

 

SERVIÇO
Data:
16 de junho, domingo
Horário: às 20h
Local: Teatro Polytheama – Endereço: Rua Barão de Jundiaí, 160 – Centro – Jundiaí.
Informações: (11) 4586-2472 – www.teatrogt.com.br

VENDAS
Bilheteria do Teatro- Terça a sexta-feira: Das 10h às 20h
Sábados, domingos e feriados: das 10h às 17h
Site: www.ingressorapido.com.br

VALORES
Plateia, frisas, camarotes: R$ 70,00 (inteira) e R$ 35,00 (meia-entrada)
Galeria: R$ 70,00 (inteira) e R$ 35,00 (meia-entrada)

 

REGRAS PARA MEIA-ENTRADA:
– Estudantes (Com Carteira de Identificação Estudantil)
– Pessoas com deficiência, inclusive seu acompanhante quando necessário.
– Jovens com idade de 15 a 29 anos de baixa renda inscritos no Cadastro Único Para Programas Sociais do Governo Federal (Mediante a apresentação da Identidade Jovem, acompanhada de documento de identificação com foto expedido por órgão público e válido em todo o território nacional)
– Idosos e Terceira Idade (Cartão de Aposentado ou RG para maiores de 60 anos)
– Professores Rede Pública (Holerite ou Documento que comprove)
– Diretores, Coordenadores Pedagógicos, Supervisores e titulares de cargos do quadro de apoio das escolas das redes estadual e municipais, de acordo com a Lei Estadual 15.298/14.
(O direito ao benefício da meia-entrada é assegurado em 40% (quarenta por cento) do total dos ingressos disponíveis para cada evento)

REGRAS PROMOCIONAIS:

Clube GT – Os sócios do Clube GT têm 50% de desconto no valor integral do ingresso mediante apresentação do cartão. Válido para compra de até 02 ingressos por sessão em qualquer canal de venda.
Clientes Shopping Paineiras – 50% de desconto mediante apresentação do cupom fiscal de uma compra realizada dentro do shopping Paineiras.
Clientes Porto Seguro: Desconto de 50% no valor integral do ingresso na bilheteria do teatro e na compra on-line pela Ingresso Rápido. O desconto é limitado a 1 acompanhante por sessão em qualquer canal de venda.

SOBRE A TEATRO GT

A Teatro GT comemora 13 anos de história em 2019 e já pode ser considerada uma das maiores produtoras de entretenimento cultural do país. Fundada na cidade de Indaiatuba pelos empreendedores Graça Mota e Thonny Piassa, a produtora ganhou aos poucos os palcos da região de Campinas. Logo, começou a realizar também turnês bem-sucedidas por todo o Brasil.
Com a chegada de Douglas Nascimento para a sociedade, em 2013, a produtora se transforma na Teatro dos Grandes Talentos (Teatro GT) e alcança voos ainda mais altos. A partir de então, passa a produzir também grandes espetáculos musicais, antes vistos somente em São Paulo (SP).
Mais de 500 mil espectadores, mais de 50 cidades do interior de São Paulo e outras 40 cidades pelo país tiveram uma produção assinada pela Teatro GT. Atualmente, representa mais de 100 diferentes espetáculos e mantém parceria com as principais produtoras executivas do Brasil.
Comprometida em produzir uma agenda diversificada para todos os públicos e gostos, soma mais de 150 diferentes atrações por ano. Tudo isso e muito mais pode ser conferido no site www.teatrogt.com.br.

Entretenimento

Orquestra Sinfônica Heliópolis toca os concertos vibrantes para piano de Rachmaninoff pelo projeto Concertos Astra-Finamax, de Jundiaí

O grupo sinfônico, primeiro a surgir de uma comunidade, também interpreta a Sinfonia do Novo Mundo, composição mais célebre de Leopold Dvo?ák

Redação

Publicado

em

Por

Os Concertos Astra-Finamax, iniciativa patrocinada pelas empresas Astra e Japi com o objetivo de expandir o acesso à música clássica, dão sequência à sua temporada de 2023, neste sábado, 3 de junho, às 20h, com uma apresentação especial da Orquestra Sinfônica Heliópolis (OSH), considerado o primeiro grupo sinfônico de jovens músicos a surgir de uma favela.  A apresentação acontece no Teatro Polytheama, em Jundiaí.

Sob a regência do maestro assistente, Paulo Galvão, a orquestra interpretará o Concerto para Piano No.3, em Ré Menor, do grande pianista e compositor russo Sergei Rachmaninoff (1873-1943). Também compõe o repertório as composições de outro grande compositor romântico,  o checo Antonín Leopold Dvo?ák (1841-1904). A orquestra apresentará a  Sinfonia Nº. 9 em Mi, também conhecida como Sinfonia do Novo Mundo, a mais célebre obra do compositor.

“Na ocasião, teremos a ilustre presença da pianista Lígia Moreno, que vai interpretar uma das obras mais desafiadoras do repertório de Rachmaninoff”, diz Paulo Galvão. Sobre a peça de Dvo?ák, o maestro explica que é chamada de Novo Mundo, pois faz referência à época que o compositor europeu viveu nos EUA: “É permeada de referências à música anteriormente chamada “negro espiritual” em suas melodias”, que se inspiram nas tradições musicais do povo negro americano. 

A iniciativa de incentivo à música para jovens da comunidade de Vila Heliópolis, na cidade de São Paulo, começou há 24 anos, com aulas de instrumentos de cordas para apenas 36 crianças em um espaço no próprio auditório do fundador. Passou por uma instalação em uma antiga fábrica de sucos até conquistar a sua sede própria na Comunidade de Heliópolis.

O projeto, alavancado pelo maestro Silvio Baccarelli, já realizou apresentações em grandes palcos do mundo e atende, anualmente, mais de 1.200 crianças e adolescentes a partir dos 4 anos de idade, e conta com 16 turmas de musicalização infantil, 13 corais, 48 turmas de coletivos de instrumentos e 4 orquestras.

Concertos Astra-Finamax

A produção cultural do evento é assinada pela Atique & Atique Produções Culturais, com o patrocíniodas empresas Astra e Japi e apoio da financeira Finamax e do Instituto Oliva. Os valores arrecadados com a venda dos ingressos serão revertidos à Fundação Casa da Cultura, ao Instituto Jundiaiense Luiz Braille e ao Coral Infanto-Juvenil Pio X, instituições localizadas em Jundiaí (SP). Aqueles que desejarem também poderão acompanhar o espetáculo por meio do canal do projeto no Youtube.

Os ingressos para a apresentação poderão ser adquiridos na bilheteria do Teatro Polytheama, de 3ª a 6ª feira, das 10h às 20h ou no dia do espetáculo, a partir das 10h até o início da apresentação, e também na plataforma Sympla.

Serviço:

Concertos Astra-Finamax – Grupo Corda
Data: Sábado, 03/06, às 20h
Local: Teatro Polytheama – Jundiaí (R. Barão de Jundiaí, 176) – Centro, Jundiaí
Telefone para contato: (11) 4586-2472
Ingressos: R$ 10,00

Acessibilidade

As apresentações contam com intérprete de libras e rampas para acesso.

Vendas

Bilheteria do Teatro Polytheama, de 3ª a 6ª feira, das 10h às 20h e, no dia do espetáculo, a partir das 10h até o início da apresentação ou Plataforma Sympla: www.sympla.com.br

Continuar Lendo

Entretenimento

Jundiaí recebe cinema itinerante gratuito na região Central

Redação

Publicado

em

Por

A partir de amanhã (23), Jundiaí recebe o cinema itinerante gratuito do projeto Cine em Cena Brasil, que conta com o apoio do Instituto CCR, no trecho da CCR AutoBAn. A programação segue até quinta-feira (25) e inclui filmes nacionais e internacionais para o público de todas as idades. 

A sala itinerante ficará montada no Complexo Fepasa, localizado na Avenida União dos Ferroviários, 1760, na região central de Jundiaí.         Similar a um cinema convencional, a sala possui 200 lugares, cadeiras com encosto e assentos com almofadas, ar condicionado, tela de 26m2, sistema de som 5.1 e projeção digital.

Durante os três dias, serão exibidas 12 sessões gratuitas e não é necessária a apresentação de ticket de acesso. “O cinema tem capacidade para 200 lugares, portanto é importante ficar atento aos horários das sessões, pois o acesso é por ordem de chegada e teremos também a participação das escolas municipais e estaduais”, ressalta Edson Souza, um dos sócios da Ibirajá Produções, empresa que coordena o projeto.

Jundiaí marca a volta do projeto Cine em Cena Brasil, após paralisação de mais de dois anos, devido ao período de lockdown e da pandemia do COVID–19. “Estamos muito contentes por voltar com o projeto que já alcançou mais de 222 mil espectadores, nos mais longínquos cantos do país. E esperamos continuar levando alegria e diversão a todos os amantes da sétima arte e para quem não tem condições financeiras de frequentar uma sala comercial”, ressalta Souza.

Em 2022, o cinema itinerante ainda passará pelas cidades de Campinas, Hortolândia, Capela do Alto, Alambari, Tatuí, Sorocaba e São Roque. A iniciativa é apresentada pelo Ministério do Turismo, Instituto CCR, no trecho da CCR AutoBAn, através da Lei de Incentivo à Cultura. Além disso, o projeto também conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Jundiaí.

O que é o Cine em Cena Brasil?

O projeto Cine em Cena Brasil, realizado pela Ibirajá Produções, é uma sala de cinema itinerante que leva a sétima arte às cidades que não possuem salas comerciais. Um dos sócios da Ibirajá Produções, Edson Souza, de São Paulo, explica que o projeto surgiu da necessidade de levar a sétima arte à população menos favorecida. Segundo ele, no Brasil, apenas 6% dos municípios possuem salas de cinema. Muitas vezes, para a comunidade mais carente, a sala itinerante é o primeiro contato com o cinema.

O projeto também trabalha com agendamento de escolas públicas. Para levar grupos de alunos, é preciso procurar com antecedência a Secretaria Municipal de Educação e de Cultura. O “Cine em Cena Brasil” é realizado através da Lei de Incentivo à Cultura, com apoio do Instituto CCR, no trecho da CCR AutoBAn. Mais informações sobre o projeto e a programação completa estão disponíveis no link https://www.facebook.com/cineemcenabrasil/

 Programação – Cine em Cena Brasil em Jundiaí 

23/08 – Terça
08h – História antes de uma História (Livre) – Duração: 1h20min
09h30 – Raya e o último Dragão (Livre) – Duração: 1h47min
13h00 – História antes de uma História (Livre) – Duração: 1h20min
14h30 –  Homem Aranha – Sem volta para casa (12 anos) – Duração: 2h30min 

24/08 – Quarta
08h – História antes de uma História (Livre)
09h30 – Raya e o último Dragão (Livre)
13h00 – História antes de uma História (Livre)
14h30 –  Homem Aranha – Sem volta para casa (12 anos)

 25/08 – Quinta07h30 – Homem Aranha – Sem volta para casa (12 anos)
10h15 – História antes de uma História (Livre)
13h30 – Raya e o último Dragão (Livre)
16h – Um Crime entre nós – Documentário (14 anos) – Duração: 59min
Continuar Lendo

Entretenimento

Exposição de Motos Antigas no Maxi Shopping Jundiaí

Redação

Publicado

em

Por

Uma viagem no tempo para conhecer um pouco da evolução das motos através dos anos. Para os que viveram as épocas áureas desse meio de transporte uma recordação inesquecível. Para os jovens, conhecer e apreciar essas raridades torna-se uma experiência e tanto.

Os apaixonados por motociclismo vão curtir a riqueza de detalhes, os diferenciais, e a conservação de cada modelo exposto, uma feliz parceria entre o Maxi Shopping, a loja Bike Bikers e o Grupo de Motos Antigas Jundiaí, que acontece na Praça das Bandeiras do Maxi Shopping, de 2 a 31 de agosto, mês que homenageia os pais.

A Mostra contará com mais de 30 modelos que estarão se alternando no espaço. Dentre elas, destaque para a Ural M66, 1938 – nome em homenagem à região geográfica russa, ficando assim conhecida na União Soviética e no Exterior; Ariel 600cc, 1948, britânica, concedida pelo imaginativo engenheiro Edward Turner; Lambretta D, de 1957, e Lambreta LI, de 1961 – desenvolvida pelo italiano Ferdinando Innocenti, a Lambretta (nome originário de Lambrette, Milão) teve início de sua produção em 1947.

E a história segue com a Honda CBX 750 F,1974 – considerada a “mãe” de todas as superbikes, trazia uma tecnologia jamais vista anteriormente em um modelo de normal produção em série; Honda CG 125, 1980 – primeira moto da marca a ser fabricada no Brasil; Honda XL 250 R , 1984 – primeira trail da Honda produzida no Brasil, boa no uso diário, na trilha, levava piloto e garupa com reserva de potência e muita confiabilidade mecânica; e a Honda CB 450 DX, 1991 – no Brasil, seu lançamento se deu em um tempo onde reinavam motos de baixas cilindradas, tornando-se um ícone de esportividade.

A Yamaha aparece representada pela RD 350, 1987 – lançada em 1973, marcaria de vez a história do motociclismo mundial. Sua produção aconteceu entre 1973 e 1993, duas décadas que marcaram a época e que a concedeu o cruel apelido de Viúva Negra; Yamaha RX 80, 1980 – foi a moto menor que a Yamaha fab ricou entre os anos 1980 e 1983. Derivada da Cinquentinha (RD50), tinha apenas 73cc, e era uma boa opção para os iniciantes e para o uso em trânsito; Yamaha RX 180, 1982 – modelo de pequeno porte que marcou a década de 80, atingia até 140km/h e foi bastante utilizada pela polícia, na época; e muitas outras.

Vale a pena lembrar, ainda, da Suzuki GS 1000e, 1979 – que se destacava pelo torque e funcionamento silencioso. Essas e muitas outras raridades estarão no Maxi Shopping e vão contar a história das motos através dos tempos. Vale a pena visitar e se apaixonar.

Continuar Lendo

+ Lidas do Mês