Conecte-se com a gente

Cultura

Prefeitura dá início à pesquisa sobre hábitos culturais da população

Pesquisa começou pelo Complexo Fepasa e irá percorrer os 8 vetores do Município. Interessados podem preenchê-lo pela internet

Foto: Fotógrafos/PMJ
Redação

Publicado

em

A Unidade de Gestão de Cultura (UGC) deu início nesta quarta-feira (25) às entrevistas sobre os hábitos culturais da população. As pesquisas, que começaram pelo Complexo Fepasa, irão totalizar 2100 entrevistados e serão conduzidas até 20 de outubro pelos oito vetores do Município, percorrendo bairros, terminais de ônibus, parques e outros equipamentos públicos.

PARTICIPE DA PESQUISA

O gestor da UGC, Marcelo Peroni, explica que esta iniciativa, somada aos Fóruns Descentralizados de Cultura, visa à construção do Plano Municipal de Cultura. “Precisamos conhecer bem a realidade para que o Plano construído seja algo efetivo. Esta é uma iniciativa inovadora e inédita, de que poucos Municípios dispõem, e contará com margem muito ampla de correção, com dados cruzados com os do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e com o escopo acadêmico trazido pela Fatec. Algo alinhado, inclusive, com Fórum Jundiaí 2050, realizado esta semana no Paço”.

Para seu preenchimento, o formulário exige cerca de dez minutos e trata dos hábitos de cada cidadão em relação a: dados pessoais genéricos; gostos e consumo musicais, de leitura, cinema, teatro, dança, TV, pinturas, esculturas e arquitetura; hábitos de lazer; além de conhecimento dos equipamentos e dos eventos da agenda cultural do Município.

As entrevistas são voltadas somente a munícipes jundiaienses, de todas as idades. Como o formulário é online, os interessados podem preenchê-lo pela internet. Por isso, os entrevistadores, todos alunos do curso de Eventos integrantes da empresa júnior Neo Tech.

Os entrevistadores estarão identificados por camiseta da Fatec e crachá e aplicarão a pesquisa com celulares ou tablets. Os formulários foram elaborados também pela empresa júnior no modelo de autopreenchimento, a fim de resultar em influência mínima no resultado.

Beatriz Pereira, de 24 anos e moradora da vila Arens, foi uma das primeiras entrevistadas. “Esta é uma iniciativa importante, pois ajuda a Prefeitura a saber do conhecimento dos cidadãos em relação aos equipamentos e agenda cultural. Isso deverá ajudar a melhorar o planejamento das atividades”, explicou a estudante de Gestão Ambiental.

Peroni explica que outras iniciativas deverão se juntar à pesquisa e aos Fóruns descentralizados. “Iremos realizar ainda uma outra pesquisa, desta vez direcionada aos artistas, amadores ou profissionais, a fim de entender como desenvolvem suas práticas”.

Continuar Lendo
PUBLICIDADE
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Cultura

Jovem escritora lança livro em Jundiaí sobre a verdadeira história de dona aranha

A obra apresenta caprichado projeto gráfico e ilustrações que dialogam com uma personagem persistente e corajosa; o evento contará com show do coletivo Patuscanto

Redação

Publicado

em

Por

Inspirado no conto A Infinita Fiandeira, do escritor moçambicano Mia Couto, que conta a história de uma aranha-artista, e na cantiga popular A Dona Aranha, que traz a personagem como teimosa e desobediente, a jovem escritora Fernanda Nunes, radicada em Campinas (SP), decidiu apresentar sua versão da protagonista no livro “A verdadeira história da Dona Aranha”. O lançamento em Jundiaí  acontece no dia 26 de agosto, às 11h, na Biblioteca Municipal “Professor Nelson Foot”, com show do coletivo Patuscanto, que apresenta canções brincantes que passeiam por diferentes gêneros tradicionais brasileiros, como a bossa-nova, maracatu, frevo e arrasta-pé.

Com edição caprichada, o livro, de 24 páginas, em formato canoa, tem costura como acabamento, para remeter às linhas das teias da Dona Aranha. Além disso, possui um pôster com curiosidades de outras espécies de aranhas. As ilustrações são de Giovanna Poletto, e o projeto gráfico de Laís Blanco. O projeto foi contemplado no ProAC 22/2022 – Literatura/Realização e Publicação de Obra Infanto-Juvenil Inédita.

O livro, segundo a autora, tem como principal relevância a valorização da infância e da narrativa oral, reconhecendo as potências do entretenimento infantil. Foi escrito em 2020 a partir das inquietações provocadas pela música da cantiga popular brasileira A Dona Aranha. “As canções infantis e cantigas populares são muito importantes para o desenvolvimento das crianças, pois, por meio delas, é possível trabalhar vários conteúdos e ao mesmo tempo desenvolver habilidades como motricidade, ritmo e expressão corporal e artística. Reforçando essa importância, o livro propõe uma outra perspectiva da música, baseando-se também no conto “A infinita fiadeira” do autor moçambicano Mia Couto”, destaca Fernanda Nunes.

Outro aspecto importante da criação está no diálogo da narrativa com o universo infantil por meio da ilustração e do projeto gráfico, disponibilizando ferramentas imagéticas que influenciam na expressividade do público. “No projeto, tento ilustrar o universo da dona aranha, brincando um pouco com a sua perspectiva. A ideia foi inserir com as ilustrações, outras pequenas narrativas que complementam o texto. As cores utilizadas foram inspiradas nas próprias cores das aranhas. Já nos traços, feitos de forma digital, usei um pincel que lembra um lápis de desenho para mostrar a própria questão do ser artista que a dona aranha apresenta. No livro, às vezes, as coisas estão ampliadas para mostrar que algo que para nós é pequeno, para os aracnídeos e insetos pode ser uma imensa montanha. Assim, entramos em contato com outros universos e pontos de vista”, detalha Giovanna Poletto.

“Após muitos encontros regados a boas referências, imaginação e citações científicas sobre aracnídeos, recebi as ilustrações para compor o texto que já conhecia. Diagramar este projeto foi prazeroso pois envolveu muito afeto nas relações que estabelecemos de trabalho, feito linha de teia, sempre em conexão”, complementa Laís Blanco, designer e diagramadora do projeto gráfico.

A verdadeira história de Dona Aranha será distribuído às escolas públicas e particulares. Cada exemplar também será vendido a R$ 20.

Quem é quem

Fernanda Nunes é atriz, produtora e arte-educadora formada pela Universidade Estadual de Campinas. Escreve desde 2016 como curiosa, arriscando imaginários. Desde 2020 trabalha com o olhar mais atento para as infâncias a partir da narratividade, do teatro e da contação de histórias.

Giovanna Poletto é ilustradora, formada em Artes Visuais pela Unicamp. Atua na intersecção entre arte, educação e produção cultural. Além da área de publicações, realizou animações em stop motion para a Semana Mundial do Brincar no Sesc Jundiaí (2020), projetos de identidade visual e murais de ilustração.

Paralelamente desenvolve um trabalho como educadora em exposições e realiza uma pesquisa de Mestrado pela Universidade do Porto sobre acessibilidade em espaços culturais.

Laís Blanco é artista visual, designer e atelierista, graduada em Licenciatura e Bacharelado pela Unicamp. Estudou fotografia e escultura na Universidade de Évora, em Portugal. Tem como pesquisa a fotografia analógica, processos laboratoriais de impressão, o designer gráfico de publicações impressas e estuda a linguagem gráfica da criança.

Ficha técnica do projeto

Texto: Fernanda Nunes

Ilustrações: Giovanna Poletto

Criação e concepção: Fernanda Nunes, Giovanna Poletto e Laís Blanco

Projeto gráfico e Diagramação: Laís Blanco

Revisão: Ana Julia Carvalheiro Costa

Audiodescrição e narração: Isadora Ifanger

Consultoria de audiodescrição: Ana da Hora

Biólogo consultor: Lucas Liezack

Fotografia: Júlia Moretzsohn

Assessoria de imprensa: Boas Histórias Comunicação

Assistência de Produção: Vitoria Oliveira

Coordenação de produção: Fernanda Nunes

Serviço

Lançamento do livro em Jundiaí e Show do Coletivo Patuscanto formado por Analu Geraldini, Clarice Ariela, Mariana Talamini, Paula Lins.

Quando: 26 de agosto de 2023, às 11h.

Onde: Biblioteca Pública Municipal Professor Nelson Foot (Av. Dr. Cavalcanti, 396 – Vila Arens, Jundiaí – SP).

Gratuito.

Continuar Lendo

Cultura

Ana Goulart transmuta sua arte com exposição FENIX

Galeria Plexi recebe, até o dia 14 de maio, em São Paulo, nova exposição de Ana Goulart. A exposição contará com peças de sua recente mostra de arte na Suíça.

Redação

Publicado

em

Por

A artista Ana Goulart expõe seu trabalho artístico na Galeria Plexi, na Vila Madalena, em São Paulo, galeria contemporânea para artistas e discussões do mercado de arte.

Depois de matricular-se na Escola Panamericana de Arte, seu estilo artístico foi influenciado por uma mistura de técnicas impressionistas e expressionistas. Sua obra de arte incorpora uma mistura de tinta acrílica e pigmentos ao lado de desenhos intrincados em nanquim e caneta e tinta. Homenageada com prêmio nos Estados Unidos, tem colecionadores de suas obras na Alemanha, Reino Unido, Itália e Suíça.

Impulsionada pela necessidade de se expressar, Ana Goulart embarcou em sua jornada artística vinda da cidade brasileira de Jundiaí. Sua expressão artística parte da crença de que “A arte é um meio para transmitir emoções, história e cultura por meio de valores estéticos, composições harmoniosas e equilibradas”, descreve a artista.

Sandra Setti é curadora da exposição Fenix, que mostra peças de arte que simbolizam que a transformação é um processo contínuo e pode se manifestar de várias maneiras. Através desta exposição, os visitantes podem compreender como a arte é capaz de estimular o crescimento e a transformação pessoal resultando em mudanças positivas em suas vidas. A obra de arte também exemplifica as mudanças encontradas pela artista em sua própria vida.

Oscar Dambrosio, doutor em educação e crítico de arte, avalia que, “O êxito da poética da artista se dá, em boa parte, por manter contato com aquilo que costumamos chamar de realidade, mas sem se ater a uma cópia”.

As produções da Plexi trazem uma nova perspectiva para as artes visuais e o design nacional, apresentando exposições individuais e coletivas que exploram temas voltados para o cultivo da consciência cultural na comunidade artística brasileira.

Serviço:

Local: Galeria Plexi, rua Patizal, 76 – Vila Madalena, São Paulo

Data: Até 14 de maio

Curadoria: Sandra Setti

Assessoria de imprensa: Studio Nana Higa

studionanahiga@gmail.com – cel: 11 97529-9393

Continuar Lendo

Cultura

Mestre do impressionismo, Monet tem exposição que une arte, tecnologia e experiências imersivas

Mostra Monet Le Rêve acontece até o dia 30 de novembro em Alphaville e promete “transportar” o público para a Paris do século XIX

Redação

Publicado

em

Por

A união da mais alta tecnologia audiovisual interativa e imersiva à obra de um dos maiores mestres das artes plásticas de todos os tempos está presente na mostra Monet Le Rêve, com pinturas digitalizadas, ambientes interativos com grande riqueza cenográfica e experiências únicas inspiradas no mestre francês do impressionismo, fazendo o público se sentir na França da segunda metade do século XIX.

Oscar-Claude Monet é uma das figuras mais emblemáticas das artes plásticas mundiais e um dos poucos artistas a quem se pode atribuir o nascimento de um dos grandes movimentos culturais da história: o impressionismo, precursor da arte moderna. Seu quadro “Impressão, nascer do sol”, de 1872, é unanimemente apontado como a obra inaugural da tendência.

Com obras licenciadas, Le Rêve traz, além de uma nova experiência em exposições, um dos maiores acervos de Monet ao Brasil. E tudo com organização, produção e curadoria 100% brasileira. Toda a realização e produção da mostra está a cargo da Via BR Cenografia, empresa com mais de 30 anos de existência, reconhecida no mercado de live marketing como uma das maiores realizadoras de eventos. A Via BR tem estrutura própria, sedes em Portugal e nos EUA, além de um portfólio com milhares de projetos desenvolvidos.

“Essa exposição é uma realização muito grande para a nossa empresa. Segue uma tendência de eventos do tipo, como as mostras de Van Gogh e Da Vinci, mas traz ainda mais tecnologia e interação com o público em seus 8 ambientes”, garante Vítor Nunes, diretor da Via BR. “O espaço é grandioso e requintado, a cenografia vai impressionar e a região é espetacular. A experiência que vamos oferecer às cerca de 300.000 pessoas esperadas será inesquecível.”

A curadoria do evento está a cargo de Paula Borghi, premiada curadora e crítica de arte com dezenas de trabalhos feitos ao redor do mundo. Paula é formada pela FAAP e mestre pela UFRJ em Artes Visuais. Entre seus trabalhos, destacam-se a 11ª Bienal do Mercosul, 12ª Bienal de Havana, Ygapó Terra Firme, Museu das Culturas Indígenas e The Atlantic Triangle, no Instituto Goethe.

“Monet é, sem dúvida, uma quebra de paradigmas! Arrojado, atrevido, revolucionário, aglutinador de talentos, apaixonado, pintor incansável, amante da boa vida, que merece uma exposição à própria altura, onde as mais modernas tecnologias ressignificam a sua obra para um novo público”, exaltou a curadora. “Monet foi tudo isso e mais em seus 86 anos vividos intensamente e essa mostra é o sonho que se torna realidade.”

Oscar-Claude Monet (1840-1926) passou pelas dificuldades financeiras dos jovens pintores, mas desfrutou da riqueza e consagração como artista, além de receber as mais altas honras cívicas de seu país, a França. Foi reconhecido à época como caricaturista, retratista, paisagista, além de liderar e batizar o movimento do Impressionismo. Foi um dos pintores que mais contribuiu para libertar a pintura dos modelos impostos pela Escola de Belas-Artes.

A mostra Monet Le Rêve teve início em 1º de setembro, no Espaço RISE. Além das obras, conta com ambientes perfeitos para o público tirar fotos para as redes sociais, área para performances diversas, além de um ambiente de alimentação, inspirado nos românticos cafés parisienses. A exposição pode receber até 1200 pessoas por dia e conta com 300 vagas de estacionamento. Está localizado no coração de Alphaville, na Alameda Rio Negro, 650, local de fácil acesso para os moradores da região, visitantes de São Paulo e de outras cidades próximas.

SERVIÇO

MONET LE RÊVE

Local: Espaço RISE

Endereço: Alameda Rio Negro, 650 / Alphaville

Período: Até 30 de novembro

Horário: todos os dias, das 10h às 22h

Ingressos: entre R$ 35 (meia) e R$ 110 – consultar dias e horários da semana

Vendashttps://www.ticketfacil.com.br/eventos/exposicao-monet-le-reve.aspx

Continuar Lendo

+ Lidas do Mês