Conecte-se com a gente

Entretenimento

Hot Beach realiza, pela 1.ª vez, Holi Fest, o festival das cores

Foto: Divulgação/Assessoria de Imprensa
Redação

Publicado

em

A festa, com origem na Índia, será neste sábado; os primeiros visitantes vão ganhar uma embalagem de tinta para a brincadeira

Apesar das temperaturas batendo os 35 graus, a primavera começa oficialmente só no dia 23 de setembro, segunda-feira. Para dar as boas-vindas à nova estação, o parque aquático Hot Beach Olímpia realiza, pela primeira vez, o Holi Fest. Trata-se de um festival, originário da Índia, que envolve muita cor, remetendo às flores que desabrocham na primavera. Para brincar à vontade e recriar o festival das cores, no sábado, os primeiros visitantes do parque aquático Hot Beach vão receber uma embalagem de tinta em pó para jogar para cima e um nos outros. A tinta em pó, de várias cores, é biodegradável e antialérgica.

O parque aquático Hot Beach sugere aos visitantes usarem roupas brancas, para um efeito mais especial ainda. O Holi Fest começa às 14h30 e vai até as 18h regado à música contagiante. No palco, um DJ comandará o som e, em momentos específicos, convocará os presentes para a brincadeira, jogando um pouco do pó de tinta para cima e nos familiares e amigos, numa diversão que vai render fotos incríveis para postar nas mídias sociais. Afinal, não é todo o dia que há uma explosão de cores num lugar tão lindo! Tem tudo para o click perfeito!

O Hot Beach, o moderno parque aquático de Olímpia, oferece atrações para toda a família. Tem piscina com ondas, bar molhado, bar da praia e extensa faixa de areia com coqueiral. É só estender a canga ou escolher uma espreguiçadeira para se sentir no litoral. A adrenalina está garantida no Irado, a torre de toboáguas com quatro opções de descida, e o Poty Pipe, atração em formado de pista de skate em “U”, em que se desce deslizando em boia dupla, num movimento de pêndulo. Para quem quer tranquilidade, a dica é o Ebaaa River, uma atração suave que é relaxante, mas muito divertida e de grande fluxo de turistas. É subir em uma boia e deixar-se levar pela correnteza da água.

Para os pequenos, há várias atrações para eles curtirem muito, como escorregadores infantis, arcos de onde jorram jatos de água, ilha de água quente, pequeno rio lento, fontes de água que brotam do chão e piscinas rasas e baldes suspensos que, quando cheios, derramam água em quem está embaixo. Ao lado fica o complexo infanto-juvenil, com brinquedos que envolvem toda a família, dos pequenos aos vovôs, adolescentes e adultos.

Serviço
O ingresso para o parque aquático Hot Beach pode ser comprado na portaria ou pelo site www.hotbeach.com.br

Continuar Lendo
PUBLICIDADE
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Entretenimento

Orquestra Sinfônica Heliópolis toca os concertos vibrantes para piano de Rachmaninoff pelo projeto Concertos Astra-Finamax, de Jundiaí

O grupo sinfônico, primeiro a surgir de uma comunidade, também interpreta a Sinfonia do Novo Mundo, composição mais célebre de Leopold Dvo?ák

Redação

Publicado

em

Por

Os Concertos Astra-Finamax, iniciativa patrocinada pelas empresas Astra e Japi com o objetivo de expandir o acesso à música clássica, dão sequência à sua temporada de 2023, neste sábado, 3 de junho, às 20h, com uma apresentação especial da Orquestra Sinfônica Heliópolis (OSH), considerado o primeiro grupo sinfônico de jovens músicos a surgir de uma favela.  A apresentação acontece no Teatro Polytheama, em Jundiaí.

Sob a regência do maestro assistente, Paulo Galvão, a orquestra interpretará o Concerto para Piano No.3, em Ré Menor, do grande pianista e compositor russo Sergei Rachmaninoff (1873-1943). Também compõe o repertório as composições de outro grande compositor romântico,  o checo Antonín Leopold Dvo?ák (1841-1904). A orquestra apresentará a  Sinfonia Nº. 9 em Mi, também conhecida como Sinfonia do Novo Mundo, a mais célebre obra do compositor.

“Na ocasião, teremos a ilustre presença da pianista Lígia Moreno, que vai interpretar uma das obras mais desafiadoras do repertório de Rachmaninoff”, diz Paulo Galvão. Sobre a peça de Dvo?ák, o maestro explica que é chamada de Novo Mundo, pois faz referência à época que o compositor europeu viveu nos EUA: “É permeada de referências à música anteriormente chamada “negro espiritual” em suas melodias”, que se inspiram nas tradições musicais do povo negro americano. 

A iniciativa de incentivo à música para jovens da comunidade de Vila Heliópolis, na cidade de São Paulo, começou há 24 anos, com aulas de instrumentos de cordas para apenas 36 crianças em um espaço no próprio auditório do fundador. Passou por uma instalação em uma antiga fábrica de sucos até conquistar a sua sede própria na Comunidade de Heliópolis.

O projeto, alavancado pelo maestro Silvio Baccarelli, já realizou apresentações em grandes palcos do mundo e atende, anualmente, mais de 1.200 crianças e adolescentes a partir dos 4 anos de idade, e conta com 16 turmas de musicalização infantil, 13 corais, 48 turmas de coletivos de instrumentos e 4 orquestras.

Concertos Astra-Finamax

A produção cultural do evento é assinada pela Atique & Atique Produções Culturais, com o patrocíniodas empresas Astra e Japi e apoio da financeira Finamax e do Instituto Oliva. Os valores arrecadados com a venda dos ingressos serão revertidos à Fundação Casa da Cultura, ao Instituto Jundiaiense Luiz Braille e ao Coral Infanto-Juvenil Pio X, instituições localizadas em Jundiaí (SP). Aqueles que desejarem também poderão acompanhar o espetáculo por meio do canal do projeto no Youtube.

Os ingressos para a apresentação poderão ser adquiridos na bilheteria do Teatro Polytheama, de 3ª a 6ª feira, das 10h às 20h ou no dia do espetáculo, a partir das 10h até o início da apresentação, e também na plataforma Sympla.

Serviço:

Concertos Astra-Finamax – Grupo Corda
Data: Sábado, 03/06, às 20h
Local: Teatro Polytheama – Jundiaí (R. Barão de Jundiaí, 176) – Centro, Jundiaí
Telefone para contato: (11) 4586-2472
Ingressos: R$ 10,00

Acessibilidade

As apresentações contam com intérprete de libras e rampas para acesso.

Vendas

Bilheteria do Teatro Polytheama, de 3ª a 6ª feira, das 10h às 20h e, no dia do espetáculo, a partir das 10h até o início da apresentação ou Plataforma Sympla: www.sympla.com.br

Continuar Lendo

Entretenimento

Jundiaí recebe cinema itinerante gratuito na região Central

Redação

Publicado

em

Por

A partir de amanhã (23), Jundiaí recebe o cinema itinerante gratuito do projeto Cine em Cena Brasil, que conta com o apoio do Instituto CCR, no trecho da CCR AutoBAn. A programação segue até quinta-feira (25) e inclui filmes nacionais e internacionais para o público de todas as idades. 

A sala itinerante ficará montada no Complexo Fepasa, localizado na Avenida União dos Ferroviários, 1760, na região central de Jundiaí.         Similar a um cinema convencional, a sala possui 200 lugares, cadeiras com encosto e assentos com almofadas, ar condicionado, tela de 26m2, sistema de som 5.1 e projeção digital.

Durante os três dias, serão exibidas 12 sessões gratuitas e não é necessária a apresentação de ticket de acesso. “O cinema tem capacidade para 200 lugares, portanto é importante ficar atento aos horários das sessões, pois o acesso é por ordem de chegada e teremos também a participação das escolas municipais e estaduais”, ressalta Edson Souza, um dos sócios da Ibirajá Produções, empresa que coordena o projeto.

Jundiaí marca a volta do projeto Cine em Cena Brasil, após paralisação de mais de dois anos, devido ao período de lockdown e da pandemia do COVID–19. “Estamos muito contentes por voltar com o projeto que já alcançou mais de 222 mil espectadores, nos mais longínquos cantos do país. E esperamos continuar levando alegria e diversão a todos os amantes da sétima arte e para quem não tem condições financeiras de frequentar uma sala comercial”, ressalta Souza.

Em 2022, o cinema itinerante ainda passará pelas cidades de Campinas, Hortolândia, Capela do Alto, Alambari, Tatuí, Sorocaba e São Roque. A iniciativa é apresentada pelo Ministério do Turismo, Instituto CCR, no trecho da CCR AutoBAn, através da Lei de Incentivo à Cultura. Além disso, o projeto também conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Jundiaí.

O que é o Cine em Cena Brasil?

O projeto Cine em Cena Brasil, realizado pela Ibirajá Produções, é uma sala de cinema itinerante que leva a sétima arte às cidades que não possuem salas comerciais. Um dos sócios da Ibirajá Produções, Edson Souza, de São Paulo, explica que o projeto surgiu da necessidade de levar a sétima arte à população menos favorecida. Segundo ele, no Brasil, apenas 6% dos municípios possuem salas de cinema. Muitas vezes, para a comunidade mais carente, a sala itinerante é o primeiro contato com o cinema.

O projeto também trabalha com agendamento de escolas públicas. Para levar grupos de alunos, é preciso procurar com antecedência a Secretaria Municipal de Educação e de Cultura. O “Cine em Cena Brasil” é realizado através da Lei de Incentivo à Cultura, com apoio do Instituto CCR, no trecho da CCR AutoBAn. Mais informações sobre o projeto e a programação completa estão disponíveis no link https://www.facebook.com/cineemcenabrasil/

 Programação – Cine em Cena Brasil em Jundiaí 

23/08 – Terça
08h – História antes de uma História (Livre) – Duração: 1h20min
09h30 – Raya e o último Dragão (Livre) – Duração: 1h47min
13h00 – História antes de uma História (Livre) – Duração: 1h20min
14h30 –  Homem Aranha – Sem volta para casa (12 anos) – Duração: 2h30min 

24/08 – Quarta
08h – História antes de uma História (Livre)
09h30 – Raya e o último Dragão (Livre)
13h00 – História antes de uma História (Livre)
14h30 –  Homem Aranha – Sem volta para casa (12 anos)

 25/08 – Quinta07h30 – Homem Aranha – Sem volta para casa (12 anos)
10h15 – História antes de uma História (Livre)
13h30 – Raya e o último Dragão (Livre)
16h – Um Crime entre nós – Documentário (14 anos) – Duração: 59min
Continuar Lendo

Entretenimento

Exposição de Motos Antigas no Maxi Shopping Jundiaí

Redação

Publicado

em

Por

Uma viagem no tempo para conhecer um pouco da evolução das motos através dos anos. Para os que viveram as épocas áureas desse meio de transporte uma recordação inesquecível. Para os jovens, conhecer e apreciar essas raridades torna-se uma experiência e tanto.

Os apaixonados por motociclismo vão curtir a riqueza de detalhes, os diferenciais, e a conservação de cada modelo exposto, uma feliz parceria entre o Maxi Shopping, a loja Bike Bikers e o Grupo de Motos Antigas Jundiaí, que acontece na Praça das Bandeiras do Maxi Shopping, de 2 a 31 de agosto, mês que homenageia os pais.

A Mostra contará com mais de 30 modelos que estarão se alternando no espaço. Dentre elas, destaque para a Ural M66, 1938 – nome em homenagem à região geográfica russa, ficando assim conhecida na União Soviética e no Exterior; Ariel 600cc, 1948, britânica, concedida pelo imaginativo engenheiro Edward Turner; Lambretta D, de 1957, e Lambreta LI, de 1961 – desenvolvida pelo italiano Ferdinando Innocenti, a Lambretta (nome originário de Lambrette, Milão) teve início de sua produção em 1947.

E a história segue com a Honda CBX 750 F,1974 – considerada a “mãe” de todas as superbikes, trazia uma tecnologia jamais vista anteriormente em um modelo de normal produção em série; Honda CG 125, 1980 – primeira moto da marca a ser fabricada no Brasil; Honda XL 250 R , 1984 – primeira trail da Honda produzida no Brasil, boa no uso diário, na trilha, levava piloto e garupa com reserva de potência e muita confiabilidade mecânica; e a Honda CB 450 DX, 1991 – no Brasil, seu lançamento se deu em um tempo onde reinavam motos de baixas cilindradas, tornando-se um ícone de esportividade.

A Yamaha aparece representada pela RD 350, 1987 – lançada em 1973, marcaria de vez a história do motociclismo mundial. Sua produção aconteceu entre 1973 e 1993, duas décadas que marcaram a época e que a concedeu o cruel apelido de Viúva Negra; Yamaha RX 80, 1980 – foi a moto menor que a Yamaha fab ricou entre os anos 1980 e 1983. Derivada da Cinquentinha (RD50), tinha apenas 73cc, e era uma boa opção para os iniciantes e para o uso em trânsito; Yamaha RX 180, 1982 – modelo de pequeno porte que marcou a década de 80, atingia até 140km/h e foi bastante utilizada pela polícia, na época; e muitas outras.

Vale a pena lembrar, ainda, da Suzuki GS 1000e, 1979 – que se destacava pelo torque e funcionamento silencioso. Essas e muitas outras raridades estarão no Maxi Shopping e vão contar a história das motos através dos tempos. Vale a pena visitar e se apaixonar.

Continuar Lendo

+ Lidas do Mês